Como escolher um banco de imagens

Como escolher um banco de imagens
Da agência, do cliente, ou gratuito. Escolher um banco de imagens nem sempre é tarefa simples quando você precisa atender a diversos segmentos e ainda manter um custo-benefício interessante para a operação. Neste artigo, apresento o caminho que percorro para escolher o melhor fornecedor de imagens profissionais.

Os critérios para escolha de um banco de imagens para profissionais

  1. Propriedade
  2. Qualidade
  3. Custo-benefício: Uso x volume
  4. Processo

Propriedade: quem é o dono do banco de imagens

 

Propriedade: quem é o dono do banco de imagens?

Essa questão é importante porque além de saber quem vai pagar pelas imagens (suponho aqui que todo profissional utiliza banco de imagens pago) queremos saber quem é o dono do acesso.
  1. O cliente é dono do banco e insere as imagens necessárias antes de publicar
    Este caso é comum, quando o fornecedor é responsável pela produção de artigos e o cliente pela ilustração e publicação deles.
  2. O cliente é dono do banco e compartilha o acesso para o fornecedor/agência utilizar
    Esta dinâmica revela a confiança entre as partes e otimiza o processo entre a aprovação e publicação dos materiais.
  3. A agência é dona do banco de imagens e utiliza as imagens necessárias para publicar
    Se bem precificado, a adoção do banco de imagens pela agência pode ajudar na construção do conhecimento para segmentos de negócio relacionados. Costuma ser uma ótima saída para quem deseja reduzir os gaps no processo e garantir a qualidade total dos entregáveis.

Qualidade do banco de imagens

Qual o repositório de imagens te permite encontrar facilmente as imagens para aquele médico ortopedista para idosos? Pense nos segmentos de seus cliente e faça buscas prévias na base para saber se as suas consultas geram resultados agradáveis, amplos e diversos. Dica importante, considere se os fotografados representam a diversidade brasileira. Afinal, não temos apenas herança européia como fazem parecer os bancos gringos.

Custo-benefício: Uso x volume

Custo-benefício: banco de imagens

 

A escolha do banco de imagens deve considerar o uso médio por contrato. Entendo aqui que este artigo é para quem atua profissionalmente e, portanto, faz uso frequente de imagens. Tendo essa premissa é mais fácil escolher qual o melhor custo-benefício dos bancos de imagens ofertados. Em meu último orçamento, considerei a qualidade das imagens ofertas, volume de opções para os diversos segmentos que meu time atendia e o investimento necessário para atender ao nosso volume mensal.

Comparando os banco de imagens:

Pacote mensal
Fotolia (dólares)
iStock (dólares)
Shuttestock (dólares)
50 imagens
75
99
100 imagens
100
149
100 downloads (até 200 imagens)
150
250 imagens
199
250 downloads (até 500 imagens)
250
350 imagens
199
750 imagens
249
Links de aquisição

Processo: quando vale a pena comprar, reutilizar ou criar uma imagem

Um hábito muito produtivo para bancos de imagens é verificar as opções que oferecem o tipo “meio download”. É o caso do Fotolia que permite baixar imagens em resolução suficiente para uso em banners, cards para Redes Sociais e posts para blog. Com ele, seu crédito se duplica. Outra tática é só comprar a imagem após a aprovação do cliente. Assim você evita gastar créditos durante o vai e vem de validações.

Quer escolher um banco de imagens gratuitos?

Banco de imagens gratuitos
A Resultados Digitais fez um ótimo guia com 20 banco de imagens gratuitos em que detalha as licenças de uso e recomendações para este tipo de aplicação.
Os bancos de imagens pagos são excelentes plataformas para pesquisa de imagens. Mas, se você não tem orçamento disponível para esse orçamento, pode trabalhar também com bancos de imagens gratuitos. No link você encontra uma seleção com os melhores sites de imagens grátis da internet. Os critérios por lá são: tamanho da base, variedade e qualidade.

 Quer saber como organizar seu banco de imagens?

Preparei o vídeo abaixo para um grupo sobre produtividade e resolvi compartilhar no GPD. Nele conto as minhas descobertas para otimizar os recursos de banco de imagens da agência em que atuei.
  • A dor: não localizar facilmente os milhares de arquivos de banco de imagens já baixados pelos designers do time. Essa questão fazia os designers baixarem novamente ($$) por itens que já estavam no banco.
  • A solução: Ao tornar fácil a localização dos arquivos, economizamos na aquisição de novas imagens.

Confira o vídeo:

Bônus:

Se você conhece de SEO, Arquitetura de Informação e Planilhas vai poder fazer um incremente nesta organização. Essa saída é ótima para quem possui um mesmo banco de imagens compartilhado com várias pessoas.

O que fiz além do que disse no vídeo para organizar o banco de imagens:

  1. Listar todas as pastas
  2. Criar uma planilha com a lista de tags que melhor identificavam a maioria delas (clientes, segmento de negócio, data sazonal etc..)
  3. Usa o metadrive para gerar uma planilha com todos os arquivos da pasta no Google Drive
  4. Organizar as colunas para exibir as descrições
  5. Atualizar as descrições com as tags
Pronto, independente de como os arquivos estiverem nomeados, os vários usuários da pasta vão localizar as imagens e reutiliza-las em novas criações.

Posts relacionados

O espaço é seu: comentário, dúvidas, sugestões