Podcast 01 – Autonomia, controle e gestão de equipe

Podcast | Autonomia, controle, gestão de equipe em projetos digitais

Na estreia do podcast do GPD falamos sobre a relação entre autonomia, controle e gestão de equipe em projetos digitais. A ideia de oferecer conteúdo em áudio considerou a rotina da nossa audiência: multitarefa, amante do conhecimento e apaixonada por dispositivos digitais para se entreter e se informar. Se você se identificou com alguma dessas características, ótimo! Aproveita e dá play no áudio da primeira edição.

Sobre o que falamos neste podcast:

  • A geração Y e sua busca pela autonomia em trabalhos de valor
  • A gestão ágil como método para promoção da autonomia entre o time
  • Quando é possível contar com a gestão ágil
  • Relação do gestor de projetos com definição de fases em contratos de entrega fechada
  • Como unir autonomia e gestão de projetos em todos os tipos de contrato

 

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/304500359″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”450″ iframe=”true” /]

 

Um pouco de contexto para o podcast:

A geração Y e sua busca pela autonomia em trabalhos de valor

Nascidos entre 1982 e 2003, a geração Y já ocupa cargos de liderança em empresas de todos os esporte. Essa participação economicamente ativa provoca mudanças também no mercado de trabalho, especialmente naquelas relacionadas à comunicação, marketing e tecnologia em que atua o gestor de projetos digitais. A grande diferença neste caso está na relação emocional que os chamados millennials estabelecem com o trabalho. Neste artigo da Folha de São Paulo, os profissionais desta geração são descritos como multitarefas, adeptos do feedback, tecnologia, flexibilidade e da liderança conquistada ao invés da imposta.

A gestão ágil como método para promoção da autonomia entre o time

Essa é uma metodologia preferida dos profissionais de tecnologia para entregar pequenas vitórias para o cliente até a entrega completa do projeto. Baseada na autonomia dos integrantes do time, se tornou rapidamente uma referência para as startups que buscam empoderar seu time para a entrega de soluções para entregar, testar e corrigir rápido. Utilizando o framework Scrum, o time divide o projeto em fases e determina o tempo necessário para a entrega de cada tarefa. Neste artigo, o pessoal do Project Builder explica como esta filosofia, adotada para desenvolvimento de software, está ganhando outros espaços na tecnologia. Controle de custos, redução de riscos, mensuração de resultados e satisfação do cliente são alguns dos pontos destacados.

Quando é possível contar com a gestão ágil

Tenho investigado profundamente a aplicação das diversas metodologias de gestão para o caso dos projetos digitais. Até aqui, concluo que a escolha ou criação da metodologia está diretamente ligada a dinâmica da operação empresarial. Em linhas gerais, só é possível usar do ágil quando o cliente perceber valor em uma entrega parcial. É o caso de aplicativos com diversas funções que podem estrear apenas com a principal. Essa não é a realidade das agências de comunicação e marketing que precisam entregar a campanha de compra de mídia, o artigo publicado, o hotsite promocional no ar. Para estes exemplos, a entrega do banner, do texto ou do domínio não resolvem o problema do cliente. Entende a diferença?

Relação do gestor de projetos com definição de fases em contratos de entrega fechada

Chamei de entrega fechada a existência de escopos fechados antes de chegar no time de operação. Nesses casos, o time comercial ou de atendimento já definiu com o cliente o que precisa ser entregue. Sendo assim, o papel do gestor de projetos e do seu time é planejar a execução sempre prezando pelo sucesso do projeto e da impressão digital de cada integrante. Para evitar fuga de cronograma, desvio de foco e desgaste emocional com o cliente, o gestor precisa assumir real controle de custo, prazo e escopo.

Como unir autonomia e gestão de projetos em todos os tipos de contrato

Vale lembrar que a delicadeza nos casos apresentados está em promover a autonomia e espírito de colaboração para que a geração Y não se sinta apenas fazedora. A sensação de realizar algo útil e de comum acordo é primordial para a serenidade do projeto.

 

Espero que lhe seja útil.
Crítica, sugestões e comentários são sempre bem-vindos!

Deixe uma resposta