Senso de dono: o que isso realmente significa?

Senso de dono

Ownership, senso de dono, líder nato, vestir a camisa, trabalhar como se a empresa fosse sua. Quem nunca ouviu isso como elogio no ambiente profissional? Neste artigo, resolvi aprofundar o entendimento sobre essa expressão, seus prós e contras na gestão de projetos digitais.

O que significa ter senso de dono (Ownership)?

Segundo os estudiosos de cultura empresarial, a expressão senso de dono ou ownership (livremente traduzida como “sentimento de posse”) é utilizada para qualificar as atitudes profissionais focadas no crescimento do negócio. Envolve responsabilidade, visão ampla da empresa, alta colaboração, reconhecimento e transparência.

As polêmicas envolvendo o senso de dono

Eu particularmente já ouvi essa expressão de forma entusiasmada e também acompanhada de desdém. A quem defenda e a quem critique a ideia de que o senso de dono é motor de reconhecimento na empresa. Por isso, resolvi fazer algumas observações, considerando as leituras e vivências relacionadas ao tema.
Senso de dono tem críticos

Quem critica a expressão diz:

  • Eu não posso pensar como dono se o meu salário é o mesmo, independente do meu esforço

  • Eu não posso ter atitude de dono se não tenho autonomia para executar minhas ideias

  • Eu não posso ter senso de dono porque não sei para onde a empresa está indo

  • Eu não posso ter postura de dono se vejo as pessoas próximas do dono serem beneficiadas, enquanto me esforço

 

Senso de dono tem admiradores

Quem elogia a expressão diz:

  • Para mim, ownership, é ter liberdade de alcançar uma meta sem precisar me dizer como fazer.

  • Eu acredito que essa expressão só faz sentido se todos se sentirem parte da empresa

  • Tenho real curiosidade em fazer o negócio dar certo porque sei que isso é aprendizado para minha carreira e para os meus colegas

  • Eu faço por mim, pelos meus colegas, espero reconhecimento nesta ou na próxima empresa.

Como as empresas estimulam o senso de dono

Senso de dono e a cultura empresarial

  • Recrutam profissionais com bagagens híbridas e interesse por processos
  • Substituem o comando pela colaboração
  • Removem bloqueios para desenvolver talentos e autogestão
  • Comunicam e delegam com clareza
  • Estimulam projetos paralelos e o intraempreendedorismo
  • Valorizam o apreço por metas e métricas para melhoria contínua

 

Como o senso de dono faz diferença na gestão de projetos digitais

Colaboração é um dos principais valores da metodologia que aplico em gestão de projetos digitais. Sendo assim, a minha interpretação de senso de dono se transformou em um meio termo. Talvez porque tive a oportunidade de ser empresária e também funcionária, balança que alimenta a categoria liderança e gestão de pessoas por aqui.

Na gestão de projetos que acredito, o senso de dono é mais do que se colocar no lugar dos fundadores da empresa. É assumir um compromisso sincero com a entrega de valor possível para o seu time. É buscar aprendizado contínuo como fonte de motivação, independente da empresa.

Talvez influenciada pelo filósofo Leandro Karnal, eu prefira a expressão ser “sócia majoritária da minha vida”. Sem parecer arrogante, vale exemplificar o que move esse protagonismo:

Quando eu realizado um projeto, imagino meu time na ficha técnica dele. Tento focar em como gostaria de contar essa história no meu portfólio. O senso de dono é só consequência.

Senso de dono ou protagonismo na gestão de projetos digitais

Vale a pena ler para assumir seu próprio ponto de vista:

Posts relacionados

O espaço é seu: comentário, dúvidas, sugestões