Home office: como recrutar o time ideal para trabalho remoto

Como recrutar time para trabalho em home office

A ideia desse texto é compartilhar as oportunidades e desafios do trabalho home office e dar algumas dicas de como alocar o profissional certo para cada projeto. Essas são tarefas que precisam de atenção para que você consiga montar times digitais de sucesso, mesmo trabalhando à distância.

É preciso pensar no processo do começo ao fim, observar o perfil comportamental e técnico do profissional e entender que a relação diária com quem trabalha remotamente exige alguns cuidados especiais.

Como recrutar bem?

Perfil: técnico e comportamental

Além de observar habilidades técnicas, observe também as habilidades comportamentais da pessoa convidada para trabalhar. Explico: existem profissionais que não têm perfil de aderência ao trabalho remoto. Eles podem ser super habilidosos, mas não estão prontos para trabalhar na dinâmica pautada na auto-gestão.

Outro fato importante é que o sucesso dessas parcerias está vinculado a não precisar ensinar conhecimento técnico. Costumamos ver maior sucesso na operações com  profissionais especialistas que já possuem disciplina para se desenvolver na área de atuação. Quanto mais júnior o integrante, mais tempo de suporte ele precisa. E aí, na maioria dos casos, esse desenvolvimento costuma funcionar melhor presencialmente.

Home office: todo bom profissional pode trabalhar remoto?

A resposta é não. Até mesmo os bem capacitados para trabalhar em equipe, não necessariamente conseguem se encaixar em times remotos.

Na experiência do GPD, verificamos que pessoas que se adequaram ao trabalho presencial não tiveram o mesmo êxito, em virtude de falhas de comunicação e cumprimento de prazo. 

Dica GPD: Profissionais que trabalham remoto em jornada integral para vários clientes tendem a ter mais sucesso nos projetos se comparados a profissionais que têm vínculos empregatícios rígidos e complementar com trabalhos remotos.  Geralmente estes encaram a relação do trabalho à distância como um freela, então, a depender do envolvimento e comprometimento, será preciso afinar melhor os prazos e o contato dentro do horário comercial.

O que aprender com a contratação do trabalho remoto?

Se eu preciso de mudanças e alterações na mesma semana, eu tenho que trazer para o projeto pessoas que atuem com o trabalho remoto em jornada integral. Muitas vezes, freelancers não estão totalmente disponíveis para retornos diários, mas podem funcionar muito bem com pacotes e prazos mais elásticos.

Um profissional de mídia, por exemplo, precisa de retornos diários, mudanças de estratégias, otimização, elaboração de distribuição de verba e, por isso, desempenham melhor a função quando atuam de forma remota – não estou falando de exclusividade de clientes, mas de uma atuação 100% remota.

Para um profissional de conteúdo o cenário pode ser diferente. É possível planejar lotes de posts e trabalhar com uma margem de prazos mais longos. Nessa atividade, o profissional que encara o trabalho remoto como renda complementar pode se encaixar muito bem!

Monte um perfil

Algo essencial é entender que você precisa montar um perfil de profissional, com habilidades e características que seus projetos e entregáveis precisam. É importante que tudo que foi acordado com o time seja cumprido!

O marketing digital de performance exige que o time esteja atento aos números para otimizar e reajustar, se for necessário. Todos focados no mesmo objetivo, só assim é possível conduzir o processo no caminho do sucesso. Por isso, minimize a falta do olho no olho com as seguintes ações:

  • Entenda a rotina de retornos
  • Elogie com clareza
  • Dê feedbacks frequentes – onde foi bem e o que precisa melhorar
  • Coloque todos na mesma ferramenta e facilite a comunicação
  • Reconheça e habilite para novos projetos

Gostou das dicas? Tem dúvidas sobre trabalho remoto? Dá uma olhadas nos nossos conteúdos e assina nossa newsletter para ficar por dentro das novidades no GPD. Até a próxima!


Posts relacionados

Deixe uma resposta